Estudo comprova: luz solar mata os micro-organismos da poeira doméstica

Abrir a nossa casa para a luz solar, mesmo através dos vidros das janelas é uma maneira eficiente de combater os germes e bactérias encontrados naquela poeira doméstica que fica suspensa – quem já não observou que a luz solar expõe aquele pó suspenso que fica permanentemente ao nosso redor?

Portanto, agora a ordem é: abra suas cortinas e deixe o sol entrar! Ilumine o máximo possível sua casa com a luz solar, considere até a instalação de uma claraboia, uma bay window (aquelas janelas salientes que se projetam para fora da casa) ou busque outra forma de iluminar ainda mais sua casa naturalmente.

Segundo um estudo publicado na revista científica Microbiome que foi realizado pela Universidade de Oregon, EUA, os pesquisadores descobriram que a luz solar, mesmo quando filtrada através de vidro, mata uma quantidade significativa dos germes e bactérias encontrados na poeira doméstica.

Essa descoberta sugere, portanto, que deixar a luz entrar em nossas casas e banhar todos os ambientes, como os quartos por exemplo, pode ajudar a combater problemas como a baixa qualidade do ar, infecções e doenças respiratórias.

O sol mais uma vez se mostra como uma maneira ecológica e econômica de combater germes e bactérias que se desenvolvem no escuro e que causam doenças.

Entenda como foi realizado o estudo

Para realizar o estudo, os pesquisadores construíram várias casas do tamanho de uma casa de bonecas, com vários quartos, e os encheram com uma mistura de poeira coletada de casas locais (Oregon, EUA).

Essas casas foram então expostas à escuridão, à luz ultravioleta (UV) ou à luz do sol por 90 dias, a quantidade de tempo que a poeira costuma ficar dentro de uma casa, mesmo que ela seja limpa regularmente.

Os resultados obtidos revelaram que os quartos expostos à luz solar, mesmo através de janelas fechadas, tinham apenas metade dos micro-organismos vivos que os quartos que permaneceram totalmente no escuro continham, e que os quartos banhados pelo sol matavam tantas bactéria e germes quanto a luz ultravioleta, um desinfetante conhecido pela sua eficiência.

O principal autor do estudo, Ashkaan Fahimipour, é pesquisador de pós-doutorado na Universidade de Oregon e seu Centro de Ambiente Construído, enquanto o co-autor Kevin Van Den Wymelenberg é o co-diretor do Centro de Biologia e Ambiente da Universidade de Oregon.

Eles descobriram ainda que 12 por cento das bactérias nas peças não iluminadas estavam vivas depois de 90 dias, em comparação com 6,8 por cento dos germes em salas iluminadas e 6,1 por cento em salas banhadas pela luz UV.

Van Den Wymelenberg explicou que “seis por cento de milhões de células ainda são muitos micróbios. Até agora, a iluminação natural era tratada apenas como um conforto visual ou saúde geral. Mas agora podemos dizer que a iluminação natural influencia na qualidade do ar.”

Já se sabia que a luz solar traz vários benefícios para a nossa saúde. A exposição à luz solar aumenta a vitamina D, que é um anti-inflamatório ligado à pressão arterial mais baixa, músculos mais fortes e melhor funcionamento do cérebro. A luz solar também tem sido associada à felicidade e à melhoria da qualidade do sono. Agora também sabemos que ela pode ajudar a manter nossas casas, empresas e hospitais mais saudáveis, com menos germes.

Conclusões do estudo

Os resultados experimentais baseados em simulação indicam que a poeira contém taxa bacteriana viva que pode ser inativada após mudanças nas condições abióticas locais e sugere que o potencial bactericida da luz solar comum mesmo filtrada por janela pode ser similar aos comprimentos de onda ultravioleta nas dosagens relevantes para edifícios reais.

Leia também
Para sermos saudáveis precisamos criar hábitos
5 dicas para quem trabalha muito tempo sentado
Usando o banheiro fora de casa sem traumas
10 hobbies que melhoram a inteligência
Aprenda alguns hábitos saudáveis para diminuir o estresse escolar
Sousplat ou Jogo Americano… Quando usar cada um?
Por que queimar folhas de louro dentro de casa?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *