Mitos e verdades sobre o DIY

Na onda do “faça você mesmo”, confira os mitos e verdades sobre o conceito DIY, que entusiasma pessoas do mundo inteiro a colocar a mão na massa.

Você já fez alguma coisa por conta própria em sua casa, como um móvel ou pequenos consertos, em vez de pagar para um profissional? Se a sua resposta foi sim, saiba que você virou um adepto do DIY (Do It Yourself, em inglês) ou “Faça Você Mesmo”.

O conceito, bastante popular nos últimos anos, ganhou espaço justamente por permitir às pessoas confeccionarem diversos objetos, desde acessórios e itens pessoais até produtos de decoração e móveis para casa.

A ideia, porém, não é nova. Estudos indicam que o termo DIY surgiu no início do século 20, nos Estados Unidos, e se popularizou a partir dos anos 1950 graças a movimentos independentes que defendiam a criação de produtos simples e personalizados. Por conta disso, o Do It Yourself é mais do que um simples recurso de decoração. Na verdade, ele é praticamente um estilo de vida, em que a pessoa consegue realizar atividades úteis e prazerosas ao mesmo tempo.

É justamente a ideia do prazer, e não a economia de dinheiro, o que faz as famílias aderirem ao DIY. Um estudo conduzido pelo Google indica que 47% das pessoas resolvem construir ou personalizar algo por conta própria porque gostam e se divertem durante a sua execução.

De fato, a experiência de conseguir fazer algo por conta própria é libertadora. Primeiro por estimular a criatividade e imaginação de adultos ao planejarem mudanças e personalizações em sua casa, ambiente de trabalho, etc. Depois, por permitir o forte sentimento de realização ao conseguir transformar a ideia em um objeto. A autoestima é estimulada e reforça à pessoa que, com planejamento, criatividade e força de vontade, ela é capaz de fazer várias coisas que nem imaginava ser possível.

Entretanto, antes de sair construindo em sua casa, é preciso pesquisar e buscar informações. Como qualquer área em crescimento, há mitos e verdades em torno do DIY. Portanto, antes de dar sua primeira martelada, veja o que é verdade e mentira sobre o Do It Yourself:

Mito 1 – Nem sempre será fácil e rápido

A sensação de liberdade proporcionada pelo DIY faz com que as pessoas confundam o conceito com uma tarefa rápida e fácil. Na verdade, uma coisa não tem a ver com a outra. A complexidade do trabalho depende daquilo que você planeja fazer.

Customizar uma parede com papel e tinta, por exemplo, pode parecer algo simples, mas exige cálculos para evitar manchas ou até mesmo que o desenho fique distorcido no fim. Às vezes serão necessários dias de planejamento até concluir o projeto.

Além disso, fazer algo por conta própria implica dizer que a tarefa terá que se adequar a sua própria agenda pessoal e profissional. Se a pessoa só tem folga nos fins de semana, fazer um móvel certamente irá demorar mais do que o normal.

Mito 2 – Há situações que só um profissional especializado pode fazer

Construir algo com suas próprias mãos é incrível, mas é preciso ter calma e entender que há coisas que só um especialista é capaz de fazer. Isso garante não só a precisão, mas também a própria segurança em alguns casos.

Criar um móvel é diferente do que erguer uma parede, por exemplo. Há mais cálculos, variáveis e conhecimento envolvido na segunda atividade do que na primeira. Resumindo: em obras estruturais, conte com o serviço de profissionais.

Isso pode evitar acidentes (já imaginou uma parede cair?) e permite que você fique mais tranquilo e confiante para fazer outras coisas – como os móveis da casa, itens de decoração e objetos pessoais.

Verdade 1 – Opção econômica

Fazer algo por conta pode dar trabalho, demandar muito tempo no planejamento e até demorar, mas certamente é uma opção mais barata e vantajosa do que comprar o produto pronto em uma determinada loja.

A ideia é simples: você irá pagar apenas pela matéria-prima necessária para executar aquele projeto. Na maioria dos casos, você ainda pode adaptar alguns materiais com itens que você já possui, barateando ainda mais os custos.

Bem diferente de um produto industrializado, que inclui em seu valor a matéria-prima, o custo do funcionário que executou o projeto, os impostos e o próprio lucro da empresa – e mesmo assim nem sempre é do jeito que você imaginava para a sua casa!

Verdade 2 – É possível redecorar a casa inteira

Se não é recomendável mexer em obras estruturais, com o DIY é possível mudar todos os ambientes da casa. Quartos, cozinha, sala, banheiro, escritório, enfim, tudo pode ser personalizado e ganhar diferentes temas a partir de suas próprias mãos.

Nos quartos, a pessoa pode desenhar os próprios adesivos e papéis de parede e colar nas paredes, mudando completamente a decoração. Um fã de cultura geek, por exemplo, pode criar um tema de acordo com seus personagens favoritos.

Na sala e na cozinha, é possível criar prateleiras a partir de caixotes ou até mesmo adaptando escadas de metal antigas. Com madeira, faça uma mesa e, com materiais adequados, monte uma cadeira eames que combine com a decoração e sua criatividade!

Se você gostou dessas dicas, provavelmente também vá gostar dessas:
DIY – Luminárias fáceis de fazer e baratíssimas!
Como fazer uma luminária pendente linda e muito barata
DIY – como recuperar uma cadeira clássica sem gastar muito
Você está distribuindo seus móveis corretamente?
Papel de parede, dicas de escolha e instalação
DIY – A tapeçaria como um hobby
Cimento queimado, dicas e ideias
DIY – Faça você mesmo um mosaico de parede em um quarto de bebê

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *