Horta, aprenda a evitar os erros mais cometidos pelos iniciantes

Gostou dessa postagem? Compartilhe com seus amigos

Plantar parte dos nossos próprios alimentos tem o poder de transformar o modo como nos relacionamos com a nossa alimentação. Passamos a valorizar mais alimentos frescos e saudáveis, melhorando assim também nossa saúde, mas manter uma horta e cultivar alimentos em casa exigem certos cuidados para que se obtenha sucesso.

Como os leitores frequentes já devem ter percebido, aqui no blog “Lar, Doce Lar” somos entusiastas de alimentação saudável e, portanto, por consequência, somos incentivadores de que as pessoas procurem, na medida do possível, cultivar em casa todos os alimentos possíveis.

Criar, cultivar e ver dar certo uma horta é uma das melhores sensações que podemos sentir, além de melhorar nossa relação com os alimentos, como escrevemos acima, esse hobby, ou atividade, também proporciona uma realização pessoal, é muito gratificante.

Se você está lendo esse texto, talvez esteja entre as pessoas que já tentou cultivar a própria horta e não teve sucesso, ou o resultado ficou abaixo do esperado, mas não desanime, assim como todas as atividades, manter uma horta não é difícil para quem domina as técnicas corretas e se dedica a obter resultados.

Para ajudar os inciantes e os que já tentaram e não conseguiram levar adiante seu projeto de plantio caseiro, listamos abaixo os cuidados essenciais necessários e os erros mais comuns que devem ser evitados para alcançar esse objetivo.

Enterrar demais as sementes: geralmente o ideal é iniciar uma horta já com mudas e não sementes, mas você pode optar por inciá-la com sementes. Porém quando você opta por iniciar uma horta a partir de sementes, um dos erros capitais é enterrá-las muito fundo, dessa forma elas ficam sem força para germinar. As sementes devem ficar quase na superfície do solo, enterradas no máximo a cerca de 0,5 centímetros. Além disso, se possível, o ideal é manter uma sementeira em casa, onde as sementes possam ser plantadas e germinarem antes de serem transferidas para seu lugar definitivo na horta.

Usar sementes demais em cada buraco: para que as sementes germinem e as plantas cresçam bem e tenham o espaço necessário para se desenvolver, evite colocar excesso de sementes em cada buraco, procure colocar cerca de 3 sementes por buraco. As hortaliças que crescem em “maços”, podem receber mais, até umas 10 sementes por buraco.

Regar de maneira incorreta: a rega geralmente é atividade responsável pela maioria dos insucessos nas tentativas de cultivar uma horta. A irrigação ideal de uma horta é aquela feita com  borrifadores até que as mudas que germinaram ou que foram plantadas diretamente no solo atinjam cerca de 10 cm de altura. A partir de então, as regas podem ser feitas com regadores ou mangueiras sem muita força para que o solo não fique encharcado demais e nem seco demais. A quantidade de água a ser utilizada depende da quantidade de sol que as plantas recebem durante o dia, ao calor que estão expostas e às exigências de cada planta. Em pouco tempo de rega você poderá observar se está regando demais ou de menos uma planta. Outro erro grave é regar as plantas no horário de sol mais forte, isso faz com que a água colocada esquente, tanto na planta como no solo, causando estragos, procure regar sempre nos horários de menos incidência solar, de manhã cedo ou ao entardecer.

Compactar demais a terra: evite “socar” demais a terra para que as mudas plantadas fiquem mais firmes. Isso provocará a diminuição do ar existente no solo, dificultando o crescimento das raízes. Muitas vezes quando começamos uma horta com mudas, caímos na tentação de compactar bem a terra em volta delas para que fiquem firmes, o melhor nesse caso é usar estacas para segurá-las até que tenham firmeza para se sustentarem sozinhas.

Falta de adubação: muitas pessoas acreditam que para uma planta crescer basta sol e água, porém não é bem assim, todos os seres vivos necessitam de nutrientes para crescerem e se desenvolverem de forma saudável, parte desses nutrientes vem da água, parte do solo in natura, parte da luz solar e parte vem da adubação que acrescentamos em nossa horta. Procure adubar sempre sua horta de acordo com as recomendações dos produtores de adubo, sejam eles orgânicos ou químicos.

Utilizar plantas antagônicas ou concorrentes: Algumas plantas não se dão bem juntas e podem atrapalhar o desenvolvimento uma da outra, são as chamadas plantas concorrentes. Escolha para um mesmo vaso ou para um mesmo espaço na horta as plantas com as mesmas necessidades de sol e água, as chamadas plantas companheiras. Pesquise quais as plantas adequadas para serem plantadas consorciadamente e evite também colocar em um mesmo vaso com outras, as plantas que tenham raízes invasivas, elas sufocarão as outras plantas do vaso. Um planta que representa bem esse último grupo é a hortelã, ela nunca deve ser plantada em um mesmo vaso com outras plantas.

Deixar as plantas em um local sem sol direto: praticamente todas as plantas precisam de sol, principalmente as hortaliças, algumas com mais, outras com menos intensidade. Sem a incidência de luz solar adequada elas podem ter um crescimento lento ou até morrerem, portanto escolha sempre um local adequado para cada tipo de planta que você pretende cultivar.

Gostou dessas dicas? Antes de começar sua nova horta, sugerimos também a leitura das postagens abaixo.

Bokashi, o adubo orgânico japonês que está fazendo sucesso no Brasil
As vantagens de ter uma horta em casa
Horta – o que plantar em cada mês
A importância da adubação de hortas e jardins
Conheça a primeira horta orgânica autoirrigável para pequenos espaços
Dicas imperdíveis para quem tem ou quer começar uma horta caseira

Gostou dessa postagem? Compartilhe com seus amigos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *