O que é o movimento antitrabalho? Entenda porque ele está crescendo

Compartilhe...
Tempo estimado para leitura: 9 minutos

Antes de mais nada, saiba que o movimento antitrabalho não nasceu porque as pessoas que o lideram querem que todos deixemos de trabalhar. A questão que eles levantam é se realmente a sociedade precisa encarar o trabalho de uma forma que extrapole a saúde mental com o objetivo de ter acesso a mais coisas materiais, as quais não necessariamente são essenciais para sermos felizes.

A proposta fundamental é buscar um equilíbrio entre preservar a saúde física e mental e ainda assim ter acesso às coisas necessárias que o dinheiro pode comprar.


Talvez você esteja se perguntando porque estamos abordando esse assunto aqui no blog “Lar, Doce Lar”, afinal nosso objetivo é proporcionar, através de nosso textos, que nossos leitores consigam usufruir ao máximo sua casa para ter uma melhor qualidade de vida, com saúde, conforto e todos os outros benefícios que isso pode proporcionar.

Acontece que os efeitos da pandemia iniciada no ano de 2020 mudou muito a forma como encaramos nossa casa e nossa vida, inclusive aqui no blog publicamos vários textos sobre home office, justamente para que as pessoas que nos leem consigam preparar-se melhor para essa nova forma de trabalhar e encarar a nova realidade mundial.

Muitas pessoas que tiveram que começar a trabalhar remotamente, a partir de sua casa, descobriram serem incapazes de se concentrar dividindo o ambiente com seus familiares, pois é muito difícil estabelecer limites. Por isso mesmo focamos aqui no blog a necessidade de criar ambientes específicos para o trabalho em diferentes ambientes da casa.

Nós não estamos assumindo nenhuma posição sobre esse tema, pois acreditamos que ele é uma escolha pessoal. Nosso intuito é fazer com que dessa vez nossos leitores reflitam sobre o que é melhor para suas vidas profissional e familiar, e com isso, decidir se querem viver somente pelo seu trabalho, ou tem outros objetivos para si e para sua família.

Associado a isso, o fato de trabalhar em casa exige muito mais disciplina e organização para não submeter a família inteira a uma mudança de comportamento que possa comprometer sua estrutura.

Como o movimento antitrabalho ganhou força?

Em março de 2021, um estudo patrocinado pela Microsoft descobriu que mais de 41% da força de trabalho global estava pensando em deixar seu empregador ainda durante o ano e que 54% dos trabalhadores disseram que se sentiam sobrecarregados, enquanto 39% disseram que se sentiam exaustos.

O movimento antitrabalho está centrado na ideia de que a sociedade pressiona as pessoas a colocar uma ênfase e uma importância insalubres no trabalho. Más condições de trabalho, exaustão relacionada à pandemia que afetou o mundo inteiro e o impulso da “Grande Demissão” (também chamada de “Grande Renúncia”, com milhões de pessoas pedindo demissão de seus empregos) alimentaram o sentimento antitrabalho que está ganhando popularidade.

O movimento antitrabalho é a antítese da cultura da agitação moderna, entretanto, para a maioria das pessoas não ricas, uma vida completamente sem trabalho não é uma opção viável.

Coincidindo com a Grande Demissão está o “movimento antitrabalho”. Esse movimento tem sido particularmente popular no site de mídia social Reddit, onde o diretório subreddit r/antiwork, criado no ano de 2013 – e contava com menos de 100.000 membros antes da pandemia de Covid-19 -, conquistou mais de 900.000 membros interessados ​​em “desemprego para todos, não apenas para os ricos” somente no ano de 2021.

Este espaço dedicado a “aqueles que querem acabar com o trabalho, estão curiosos sobre como acabar com o trabalho, ou querem tirar o máximo proveito de uma vida sem trabalho” mais que triplicou seus assinantes desde março de 2020. No momento em que escrevemos esse texto (fevereiro de 2022) esse grupo já conta com mais de 1.700.000 membros.

O que exatamente é o movimento antitrabalho?

O sentimento antitrabalho que está movendo essas pessoas reflete sobre como uma vida sem trabalho pode ser alcançada.

Apoiar a ideia antitrabalho não significa que essas pessoas não querem ganhar dinheiro, mas o movimento explora os desafios que os padrões sociais colocaram aos trabalhadores e recomenda como a cultura do local de trabalho pode ser alterada para melhor apoiar as pessoas que estão se desgastando mental e fisicamente.

Há ainda outro aspecto que não afeta todo mundo, mas uma boa parcela dos trabalhadores, que são os chefes inescrupulosos, que expõem seus liderados a maus tratos e comportamentos tóxicos ou ameaçadores.

Recentemente, a semana de trabalho de quatro dias ganhou popularidade em algumas empresas e tem dado certo. Na verdade, 74% dos trabalhadores de escritório pesquisados ​​disseram que apoiam uma semana de trabalho de 4 dias. Além disso, com os avanços tecnológicos, a quantidade de tempo que passamos trabalhando deve diminuir naturalmente.

Por que o sentimento antitrabalho está se tornando popular agora?

Tendo trabalhado consistentemente durante o pico da pandemia global, as pessoas agora estão procurando uma mudança de estilo de vida e uma maneira mais saudável e feliz de trabalhar para ganhar a vida.

As pessoas que estão deixando seus empregos, aparentemente na maioria das vezes, não são preguiçosas nem estão fazendo isso para ficarem desempregadas, elas estão simplesmente procurando empregadores mais gentis e solidários e um melhor equilíbrio entre vida profissional e pessoal.

A geração do milênio e a geração Z são as que estão liderando o movimento antitrabalho, já que muitas dessas pessoas estão optando por deixar a rotina de empregos estressantes em favor do equilíbrio entre vida profissional e pessoal.

Para sobreviver atualmente, a maioria das pessoas precisa começar a trabalhar antes dos 20 anos e continuar trabalhando até os 60 anos. Ao que parece, os trabalhadores estão começando a questionar esse aspecto da vida, e para os apoiadores do movimento antitrabalho, o objetivo é não passar a maior parte da vida em um trabalho que não traz alegrias, somente dinheiro.

Alguns movimentos um pouco mais radicais estão entrando em greve ou deixando seus empregos para não procurar nenhum outro meio de sustento. Entretanto, desistir de trabalhar não é uma opção para todas as pessoas, a maioria delas não pode se dar ao luxo de desistir porque não gosta das suas condições de trabalho.

É sabido também, que boa parte das pessoas trabalha muito para ter menos do que realmente necessita. É a já conhecida desigualdade social, que sempre existiu e que é difícil de enfrentar, provavelmente sempre existirá. Mas existe também um grande volume de pessoas que já tem o que precisa, no entanto, sacrifica os benefícios de uma vida tranquila para ter ainda mais.

Se você é uma das pessoas que tem questionado essa situação e deseja se juntar ao movimento antitrabalho, construindo uma carreira de sucesso em seus próprios termos, é importante criar um sólido plano de transição de carreira antes de entregar sua carta de demissão.

Se os trabalhadores estão cansados ​​da forma como estão trabalhando atualmente, não devem ter medo de pedir o que querem, pois as empresas que estão lutando para contratar agora estão mais propensas a atender às necessidades dos interessados em aceitar suas propostas.

Além disso, desistir de trabalhar não é a única opção. Atualmente, muitas empresas estão muito motivadas para reter seus funcionários e estão cada vez mais abertas ao trabalho flexível e sem pressões.



O movimento antitrabalho é a antítese da cultura da agitação moderna

O movimento antitrabalho é exatamente o oposto da cultura da agitação, que cria a suposição de que o único valor que temos como seres humanos é nossa capacidade de produzir e a nossa capacidade de gerar dinheiro.

A cultura da agitação é a pressão social para estar constantemente trabalhando mais, mais rápido e mais forte. A idolatria do vício em trabalho e a mentalidade de que devemos estar sempre trabalhando e sendo produtivos tem efeitos adversos na nossa saúde física e mental.

Na sociedade atual, geralmente a produtividade máxima é valorizada acima de tudo, mesmo que para atingi-la as pessoas nunca tenham um momento para relaxar. O compromisso com longas horas de trabalho duro para obter sucesso foi amplamente celebrado nos últimos anos, mas isso pode estar mudando agora.

Muitos defensores do movimento antitrabalho acreditam que acabar com o trabalho não é não ser produtivo e simplesmente recorrer à previdência social, mas a ideia decorre do fato de que o trabalho não precisa ser o único objetivo da vida inteira de alguém.

Enfim, nesse movimento há uma mescla enorme de opiniões e posicionamentos, como sobre pedir demissão, modificar ambientes de trabalho hostis, defensores de greves, entre outras.

No entanto, de uma maneira geral, essa comunidade antitrabalho traz uma linha de pensamento que todos nós deveríamos analisar, pois é inegável que hoje vivemos em uma sociedade que tem como foco o dinheiro acima de tudo.

É uma decisão e escolha de posicionamento que pode ser difícil para muitas pessoas, pois a maioria de nós foi educada com um pensamento consumista, mesmo não tendo condições de consumir tudo o que sonha.

Porque então não começar a pensar da seguinte forma: Como está minha saúde mental e física atualmente? Se não estão muito bem, o quanto o meu trabalho é responsável por isso? Por fim, o que posso fazer para encontrar mais equilíbrio entre a minha saúde e a necessidade de ganhar dinheiro?

Conheça os sinais de que seu trabalho pode estar atrapalhando sua vida e sua saúde

Você não consegue parar de pensar no seu trabalho

Suas noites e fins de semana devem ser para limpar sua mente e relaxar. Portanto, se você não consegue parar de repassar uma reunião que deu errado na sua cabeça ou pensar em todas as razões pelas quais você não quer acordar para trabalhar amanhã, isso pode estar prejudicando seriamente sua qualidade de vida e sua saúde.

Você reclama muito do trabalho

Se você está realmente infeliz e insatisfeito com seu trabalho, pode começar a gastar muito tempo e energia explicando a amigos, familiares e qualquer outra pessoa disposta a te ouvir o quão ruim é o seu trabalho. Esse desabafo poder ser bom por momentos, mas não é saudável, porque rouba sua força mental e te deixa angustiado.

Eventos sociais com colegas de trabalho são cansativos em vez de divertidos

Se o seu trabalho está sugando sua vida, você tem a tendência de começar a recusar qualquer oportunidade de socializar, porque conversar com as outras pessoas que trabalham com você parece muito cansativo. Você vai preferir almoçar em sua mesa de trabalho em vez socializar, ou correr para casa depois do trabalho para evitar o happy hour com os colegas.

Seus pensamentos sobre o trabalho são exageradamente negativos

Quando você tem uma visão sombria do seu trabalho você pode começar a ter pensamentos excessivamente negativos sobre ele, como convencer-se de que não conseguirá uma promoção, ou que não consegue agradar seus superiores. Isso vai arrastá-lo ainda mais para baixo.

Você ignora as partes boas do trabalho

Quando você está se sentindo para baixo, tende a ver o copo meio vazio. Mesmo que muitas coisas boas aconteçam em um dia de trabalho, você provavelmente se concentrará na única coisa ruim que aconteceu nesse dia.

Você está enfrentando alguns problemas de saúde física

A depressão pelo estresse não afeta apenas sua saúde mental. Para algumas pessoas, os sinais físicos de depressão incluem dor de estômago, dores de cabeça e outras queixas. Além disso, seu sistema imunológico pode enfraquecer, tornando-o mais suscetível a resfriados e outras doenças.

Você não quer sair da cama de manhã

Se o seu trabalho está deixando você infeliz, você não vai querer sair da cama porque isso significa que você está um passo mais perto de começar a trabalhar.

Você está ficando irritável

Você acha que sua paciência está se esgotando se o seu trabalho o deixa infeliz ou triste. Tudo é motivo de irritação, até mesmo simples perguntas sobre um trabalho estar finalizado incomodam.

Você diz que está doente para não trabalhar

Se o seu trabalho é a causa raiz de outros problemas mentais e físicos, faz sentido que você queira evitá-lo a todo custo.

Você não se importa mais com seu desempenho no trabalho

Você tenderá a aumentar a procrastinação. A falta de participação e o trabalho desleixado são sinais de que você perdeu o interesse em seu trabalho.

Isso, por sua vez, pode muito bem fazer com que as suas previsões negativas sobre o seu futuro no trabalho realmente se tornem realidade. Se o seu trabalho não for bom, você provavelmente não será promovido, pode ser rebaixado, ou até mesmo demitido.

Você não gosta do domingo à noite

Domingo geralmente não é um dia relaxante se o seu trabalho está deixando você infeliz. Em vez disso, um sentimento de pavor pode começar a tomar conta de você no domingo à tarde. Você fica ansioso, sobrecarregado ou simplesmente triste com a próxima semana de trabalho.

Esses sentimentos de ansiedade significam que você terá um final de semana mentalmente exaustivo, o que pode deixá-lo mal preparado para enfrentar a semana de trabalho que vem pela frente.

Conclusão

Nossa sugestão é que você analise, em sua vida atual, o que te deixa feliz e o que te deixa triste e tente mudar esse estado de coisas. Se necessário, converse com outras pessoas que passaram por isso e superaram e procure ajuda de um profissional de saúde.

Sozinho é muito difícil que você tenha plenas condições de fazer um diagnóstico preciso do que motiva seus problemas de saúde física e mental, mas com ajuda, tudo fica mais fácil.


Leia também:
Hobbies caseiros, você curte? Selecionamos 11 para você escolher o seu
O COVID-19 e a saúde mental
Como preparar meu filho para o mundo real?
10 hobbies que melhoram a inteligência
A importância de ter um hobby
Como montar um home office que combine com o seu signo do zodíaco
Uma casa suja e bagunçada aumenta a depressão. Como resolver?
Descubra 44 atividades divertidas para relaxar e desestressar

Compartilhe...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *