Malefícios do café

Compartilhe...
Tempo estimado para leitura: 8 minutos

malefícios do café

Como assim, malefícios do café? Se você é fã de café, calma! Assim como muitos chás, o café é uma bebida muito saudável. Isso porque ele contém cafeína, que melhora o humor, o metabolismo e o desempenho mental e físico. No entanto, altas doses de cafeína podem ter efeitos nocivos.

Então, como todos sabemos de que essa bebida é saudável, é bom conhecer também os possíveis malefícios do café para que possamos evitá-los.


Assim, apesar do café não ser um remédio, a frase “A diferença entre o veneno e o remédio é a dose”, dita pelo médico e físico suíço-alemão Paracelso (pseudônimo de Philippus Aureolus Theophrastus Bombastus von Hohenheim), aplica-se muito bem nesse caso.

Há estudos que provaram que é seguro para a maioria das pessoas consumir café de uma forma moderada.

Mas, essas pesquisas também mostraram que os genes de cada pessoa têm uma grande parcela nos efeitos do café. Ou seja, algumas pessoas podem consumir muito mais do que outras sem sofrerem com os possíveis malefícios do café.

Além disso, em pessoas que não tem o hábito de tomar café podem ocorrer alguns sintomas depois de consumir o que em geral é tido como uma dose moderada para outras.

Vamos conhecer então quais são os principais sintomas que podem estar ligados aos malefícios do café? Assim, se você sentir algum deles e associar ao seu consumo, o melhor a fazer é descobrir a causa.

Ansiedade

É sabido que a cafeína aumenta o estado de alerta das pessoas. Isso porque ela bloqueia os efeitos da adenosina, uma substância química do cérebro que nos faz sentir o cansaço. Ao mesmo tempo, ela libera a adrenalina, o hormônio da “luta ou fuga” que provoca o aumento da energia.

No entanto, em doses mais altas, esses efeitos podem se tornar mais fortes, levando assim à ansiedade.

De fato, o transtorno de ansiedade que a cafeína provoca é uma das quatro síndromes relacionadas à cafeína listadas no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM).

Ingestões muito altas, ou seja, mais de 1.000 mg por dia foram relatadas como causa da ansiedade e sintomas semelhantes em muitas pessoas, enquanto que mesmo uma ingestão menor pode levar a efeitos semelhantes em pessoas sensíveis à cafeína.

Além disso, mesmo pequenas doses podem provocar respiração rápida e aumentar os níveis de estresse quando consumidas de uma só vez.

Um estudo com 25 homens saudáveis ​​descobriu que aqueles que tomaram cerca de 300 mg de cafeína tiveram mais que o dobro do estresse dos que tomaram placebo.

No entanto, os níveis de estresse foram semelhantes entre consumidores regulares e menos frequentes de cafeína. Então, isso sugeriu que o composto pode ter o mesmo efeito nos níveis de estresse de todos eles, isso não depende de serem consumidores habituais de café. No entanto, esses resultados são preliminares.

Além disso, o teor de cafeína dos vários tipos de café varia muito. Por exemplo, um café grande da Starbucks contém cerca de 330 mg de cafeína.

Portanto, se você perceber que muitas vezes se sente nervoso, pode ser uma boa ideia analisar sua ingestão de cafeína e reduzi-la.

Vício

Apesar de todos os benefícios do café para a saúde, não há como negar que ele pode se tornar um vício.

Uma revisão feita em estudos sugere que, embora a cafeína desencadeie certas substâncias químicas cerebrais de maneira semelhante à cocaína e às anfetaminas, ela não causa o vício clássico da maneira como essas drogas causam. No entanto, ela pode levar à dependência psicológica ou física, de um modo especial em altas dosagens.

Um estudo reuniu três grupos de pessoas, as que consumiam grandes doses de cafeína, as de consumo pouco e as que não consumiam. Elas então fizeram de um teste de palavras após ficarem sem cafeína durante a noite. Apenas usuários de altas doses de cafeína mostraram um viés para palavras relacionadas à cafeína e tiveram fortes desejos por ela.

Além disso, a frequência de ingestão de cafeína parece desempenhar um papel na sua dependência. Isso porque, em outro estudo, 213 usuários de cafeína foram pesquisados após 16 horas sem consumi-la. Os usuários diários tiveram maiores aumentos nas dores de cabeça, fadiga e outros sintomas de abstinência do que os usuários não diários.

Portanto, mesmo que a cafeína não pareça causar um vício real, se você bebe com frequência muito café ou outras bebidas com cafeína, há uma boa chance de se tornar dependente de seus efeitos. E, com isso, surgem os malefícios do café.

Insônia

A capacidade da cafeína em ajudar as pessoas a ficarem alertas é uma de suas qualidades mais valorizadas. Mas, por outro lado, muita cafeína pode perturbar o sono restaurador diário.

Estudos provaram que uma maior ingestão de cafeína parece aumentar o tempo que levamos para dormir. Assim como, também pode reduzir o tempo total de sono, ainda mais em pessoas idosas.

No entanto, quantidades baixas ou moderadas de cafeína não parecem afetar muito o sono, tanto em pessoas que dormem com facilidade como as que costumam ter insônia.

Mas, você pode não perceber que a cafeína está interferindo no seu sono se subestimar o volume de cafeína que está ingerindo. Isso porque, embora o café e o chá sejam as fontes mais comuns de cafeína, ela também está em refrigerantes, cacau, energéticos e diversos tipos de medicamentos. Por exemplo, algumas bebidas energéticas contém até 500 mg por lata.

O volume ingerido é decisivo

É preciso ressaltar que a quantidade de cafeína que você pode consumir sem afetar seu sono vai depender de sua genética e de outros fatores, conforme já dito no início desse texto.

Além disso, a cafeína consumida no final do dia pode perturbar mais o sono do que a ingerida pela manhã, porque seus efeitos podem levar várias horas para passar.

A pesquisa mostrou que, enquanto a cafeína fica em nosso sistema por uma média de cinco horas, o período de tempo pode variar de uma hora e meia a nove horas, pois isso depende do metabolismo de cada pessoa. Assim, um estudo investigou como o momento da ingestão de cafeína afeta o sono. Os cientistas deram à 12 adultos saudáveis ​​400 mg de cafeína seis horas antes de dormir, três horas antes de dormir ou na hora de dormir.

Então, tanto o tempo que os três grupos levaram para adormecer quanto o tempo que passaram acordados à noite aumentaram muito. Esses resultados sugerem que é essencial prestar atenção ao volume e ao tempo de ingesta de cafeína para melhorar o sono.

Pressão arterial alta

A princípio, a cafeína não parece aumentar o risco de doenças cardíacas ou derrames na maior parte das pessoas. No entanto, vários estudos provaram que ela aumenta a pressão arterial devido ao seu efeito estimulante sobre o sistema nervoso. Portanto, esse talvez seja um dos malefícios do café mais preocupante.

A pressão arterial alta é um fator de risco para ataque cardíaco e acidente vascular cerebral, pois ela danifica as artérias ao longo do tempo, restringindo o fluxo de sangue para o coração e o cérebro. No entanto, o efeito da cafeína na pressão arterial parece ser temporário. Além disso, parece ter o impacto mais forte em pessoas que não têm o hábito de consumi-lo.

A alta ingestão de cafeína também demonstrou aumentar a pressão arterial durante exercícios em pessoas saudáveis, bem como nas com pressão arterial um pouco elevada. Portanto, prestar atenção à dosagem e ao horário do consumo da cafeína é essencial, ainda mais se você já tiver pressão alta.

café expresso

Problemas digestivos

Para muitas pessoas, uma xícara de café pela manhã ajuda a movimentar os intestinos. Esse efeito laxante do café é atribuído à liberação de gastrina, um hormônio produzido pelo estômago que acelera a atividade no cólon. Além disso, o café descafeinado mostrou produzir uma resposta semelhante. Portanto, esse efeito positivo parece não estar ligado à cafeína.

No entanto, a própria cafeína também parece estimular os movimentos intestinais, aumentando as contrações que movem os alimentos através do trato digestivo. Em função desse efeito, não é surpresa que grandes doses de cafeína possam provocar fezes moles ou até diarreia em algumas pessoas.

Mas, há uma boa notícia. Embora por muitos anos tratava-se o café como causador de úlceras estomacais, um grande estudo com mais de 8.000 pessoas não encontrou nenhum efeito nesse sentido.

Por outro lado, alguns estudos sugerem que as bebidas com cafeína podem piorar a doença do refluxo gastroesofágico em algumas pessoas. Em um estudo, 5 adultos saudáveis ​​beberam água com cafeína. Então, isso provocou um relaxamento do músculo que impede que o conteúdo do estômago suba para a garganta, que é o maior sintoma do refluxo.

Portanto, como o café tem efeitos importantes para auxiliar na digestão, você pode reduzir o volume que bebe, ou mudar para um chá, caso tenha algum sintoma nesse sentido. Dessa forma você aproveita o que tem de bom sem sofrer como os malefícios do café.

Fadiga

É sabido que tanto o café, como chás e outras bebidas que contêm cafeína aumentam os níveis de energia. Mas, eles também podem ter o efeito oposto, o chamado rebote. Ou seja, depois que a cafeína deixa o organismo ocorre a fadiga.

Uma revisão feita em 41 estudos descobriu que, embora as bebidas energéticas com cafeína aumentem o estado de alerta e melhorem o humor por várias horas, os participantes ficavam mais cansados ​​do que o normal no dia seguinte.

Claro que se alguém continuar a beber muita cafeína ao longo do dia seguinte, poderá evitar o efeito rebote. Entretanto, isso pode afetar a condição de sono. Portanto, a melhor forma de maximizar os bons efeitos da cafeína na energia e evitar a fadiga do rebote, é consumi-la em doses moderadas.

Urgência e micção frequentes

O aumento da micção é um efeito colateral comum da alta ingestão de cafeína devido ao estímulo que ela causa na bexiga. Por exemplo, você já deve ter notado que precisa urinar com mais frequência quando consome mais café ou chá do que o habitual.

A maioria das pesquisas que analisou os efeitos do café na frequência urinária se concentrou em idosos e pessoas com bexiga hiperativa ou incontinência.

Em um estudo feito com 12 pessoas jovens e de meia-idade com bexiga hiperativa que consumiram 4,5 mg de cafeína por quilograma de peso corporal diariamente provocou aumentos significativos na frequência e urgência urinária. Isso significa que, para uma pessoa com peso de 68 kg, isso equivale a cerca de 300 mg de cafeína por dia.

Além disso, a alta ingestão pode aumentar as chances de desenvolver incontinência em pessoas com bexigas saudáveis. Por exemplo, um grande estudo analisou os efeitos da alta ingestão de cafeína na incontinência em mais de 65.000 mulheres saudáveis.

Nesse estudo, quem consumiu mais de 450 mg por dia teve um risco bem maior de incontinência, em comparação com quem consumiu menos de 150 mg por dia.

Portanto, se você ingere muitas bebidas com cafeína e sente que sua micção é mais frequente ou urgente do que deveria, pode ser uma boa ideia reduzir a ingestão para ver se esses sintomas melhoram.

mulher tomando café

Conclusão

Como pudemos ver, em geral os malefícios do café estão ligados ao consumo em excesso, mas podem se tornar muito sérios sem os devidos cuidados.

Também, por essas pesquisas é possível concluir que a ingestão de cafeína sem excesso parece levar benefícios para a saúde em muitas pessoas. Por outro lado, dosagens muito altas podem levar a efeitos colaterais que interferem no dia-a-dia e podem até causar sérios problemas de saúde.

No entanto, apesar das respostas variarem de pessoa para pessoa, os efeitos da alta ingestão demonstram que, nesse caso, nem sempre mais é melhor.

Portanto, para obter o que a cafeína tem de bom sem seus efeitos indesejáveis, avalie o seu sono, níveis de energia e outros fatores que possam ser afetados e reduza sua ingestão, se for o caso.


Leia também:
Benefícios do milho para a saúde
O que é smoothie? Porque ele é tão recomendado por nutricionistas?
Você já passou dos 40 anos? Veja essas 12 dicas para emagrecer com saúde
Conheça 11 malefícios surpreendentes provocados pela melancia

Compartilhe...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *